Adeus minha avó Carlota

Partiu hoje minha avó querida Carlota.

Foram 87 anos nesta passagem pela terra como uma mulher simples, dona de casa e ligada a família dela. Viúva antes de eu nascer, ela sempre morou comigo enquanto estive na casa de meus pais. Ajudou a me criar, a me educar, viu meus primeiros passos, minhas primeiras palavras, meus primeiros erros e acertos, e todos os demais que se seguiram por 35 anos.

Esteve comigo em minhas conquistas, me consolou em minhas derrotas, me protegeu, me paparicou, me deu todo o carinho e amor que poderia ter dado.

Partiu para a pátria espiritual 1 dia após ter viajado de Santo André até aqui para me ver, ver a mulher que amo com nossa filha na barriga, assistir junto comigo o primeiro filme de ultrassom realizado e sentir junto a alegria, a realização e o amor que existe aqui em minha casa. Veio não para ver isto e sim para se despedir, sem dores nem sofrimentos, para não deixar a quem estava longe a experiência de não ter podido fazer nada, nem de estar perto na hora derradeira.

Ontem quando foi se arrumar para deitar passou mal, pediu ajuda (mas ainda não sabíamos, mas já era tarde), uma AVC inesperada a assolou, tirando-a desta vida de provações, dificuldades e muitas vezes sofrimentos. As 5 desta manhã retornou ao convívio de nosso Deus e todos os irmãos que já não se encontram entre nós. Após isto tenho certeza que já era amparada, auxiliada e cuidada por todos que a amaram antes de nós e que por ela aguardavam sabendo de seu retorno. Sobrou para quem ficou a dificuldade de vencer a dor que é avassaladora muitas vezes, mas que logo será mutacionada em uma doce saudade.

O dia não foi fácil nem tranquilo, foi a primeira vez que vivi a experiência de realizar sozinho – mas sempre acompanhado, amparado e consolado pela mulher que tanto amo – a difícil jornada de enterrar o corpo de uma alma amada.

Agradeço muito a todos que estiveram me ajudando durante todo este dia, seja com palavras queridas em emails, mensagens de celular, ligações telefônicas, orações ou pensamentos bons. mas agradeço muito mais aos amigos que me ajudaram efetivamente neste dia, ao Paulo Bittencourt que na hora que precisa ouvir a realidade e deixar o tempo acontecer foi firme em me fazer ver o que eu precisava ver e que durante todo o dia até o final do enterro esteve a meu lado; ao Paulão civil que foi um anjo na terra me auxiliando na liberação do corpo de minha avó e este junto comigo na hora difícil de realizar a identificação de minha vozinha após a autópsia do IML – a fria hora em que na traseira de uma van um funcionário da funerária abre um esquife de acrílico e mostra o corpo lavado e frio da pessoa que até horas atrás era toda calor e amor; ao Gribel e Eduardo Saraiva que me auxiliaram com meus pais e em conseguir uma missa de corpo presente de última hora para a vovó; ao meu sogro Nelson que permitiu que enterrássemos a vovó no túmulo da família dele sem pestanejar; e as pessoas que como já disse de forma presente ou a distância me mandaram energias nesta hora.

Fique em paz e bem minha vozinha, hoje foi o dia de acabar com sua penitência e sofrimento terreno, a falta de ar constante, as dores nas juntas e ossos que a atormentavam anos, da dificuldade de andar e se locomover, usando andador e cadeira de rodas. Fique bem e feliz, olhe e vele por nós que ficamos aqui e tenha a certeza que muito em breve estaremos juntos (um em breve de acordo com a duração de nossas existências).

Continuaremos sempre a te amar e ter saudades de ti, boas saudades.

Seu neto.

André Russo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s